O motor que vai à nuvem

A WEG aposta seu futuro no desenvolvimento de sistemas digitais para pequenas e médias indústrias brasileiras. A crise no setor pode atrapalhar

0
38
processos-motor-web-amts

O vocabulário tecnológico deste início de século está na ponta da língua das empresas. Digitalização, computação em nuvem, inteligência artificial — todos os setores sabem de cor esses conceitos. Porém, a distância entre a teoria e a prática é muito grande, especialmente nas fábricas, onde os processos tendem a ser atualizados de maneira mais lenta.

No Brasil, apenas 2% das empresas adaptaram todos os seus processos à chamada Indústria 4.0 (que traz inteligência a processos industriais), e de 5% a 7% delas adotam apenas algumas novidades, segundo a Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial. Essa defasagem é vista como uma grande oportunidade de crescimento pela fabricante de motores elétricos, geradores e equipamentos de automação catarinense WEG.

“Os processos estão ficando cada vez mais digitais e a WEG vai ser protagonista na manufatura brasileira. Queremos ajudar principalmente as pequenas e médias empresas a fazer essa jornada”, diz Harry­ Schmelzer Junior, presidente da companhia que, de um pequeno galpão aberto em Jaraguá do Sul em 1961, se transformou em uma multinacional presente em mais de 135 países com faturamento de 13,3 bilhões de reais em 2019.

Essa é uma seleção de conteúdo da Reed Exhibitions sobre o mercado. Para continuar lendo, visite o site EXAME com a matéria completa.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui